Total Crédito Brasil
Somos um site especializado em finanças, oferecendo informações atualizadas sobre crédito, cartões de crédito, instituições bancárias, fintechs e benefícios sociais.

Pode estar ‘perdida na sua carteira’ essa MOEDA de 1 real VALIOSA que IMPRESSIONA brasileiros

O mundo da numismática é repleto de surpresas, onde moedas aparentemente comuns podem possuir um valor inestimável. Um exemplo notável é a moeda de R$1 fabricada em 1998, que pode valer mais de R$26 mil.

Moeda revolucionária de R$ 1,00 REAL vale R$ 5.000,00 e deixa brasileiros pulando de alegria

Em 1998, o Banco Central do Brasil conduziu um projeto experimental, cunhando moedas de R$1 com materiais alternativos ao tradicional aço inoxidável, como alpaca e cuproníquel. Essas moedas, contudo, não foram amplamente distribuídas, tornando-se extremamente raras nos dias atuais.

Dentre essas moedas, destaca-se uma em particular, conhecida como a “moeda com a letra P”. Essa designação provém de uma discreta marcação no reverso da moeda, indicando que ela foi produzida como uma prova pela Casa da Moeda. A presença da letra “P” é o principal indicativo dessa raridade.

-

Valor atual da moeda de R$1 de 1998

Diversos fatores contribuem para o elevado valor dessas moedas. Exemplares em condições de “flor de cunho”, ou seja, nunca utilizados, tendem a ter seu valor significativamente aumentado. Quanto melhor o estado de conservação, maior será o valor da peça.

-

A quantidade limitada de moedas produzidas nesse projeto experimental é um fator crucial. A “moeda com a letra P” possui o nível de raridade R5, o mais alto possível, o que a torna uma verdadeira joia entre os colecionadores.

Além disso, a proveniência e a autenticação da moeda por entidades respeitáveis no campo da numismática podem elevar ainda mais seu valor percebido.

Identificando moedas raras

-

Como identificar se você possui uma dessas raras moedas de R$1 em sua coleção? Além da marca da letra “P” no reverso, considere os seguintes aspectos:

  • Estado de Conservação: Verifique se a moeda está em condição de “flor de cunho”, ou seja, sem sinais de uso.
  • Documentação: Certifique-se de que a moeda possui proveniência e autenticação por entidades reconhecidas.
  • Raridade: Consulte fontes confiáveis para determinar o nível de raridade da moeda.