Total Crédito Brasil
Somos um site especializado em finanças, oferecendo informações atualizadas sobre crédito, cartões de crédito, instituições bancárias, fintechs e benefícios sociais.

Essas três MOEDAS de 10 centavos alcançam um VALOR que impressiona COLECIONADORES

É sabido que certas moedas, inicialmente percebidas como de baixo valor, podem adquirir um significativo valor de mercado, atingindo cifras que surpreendem. Recentemente, uma tendência observada entre colecionadores é a busca por três exemplares específicos de moedas, impulsionada pela sua antiguidade e raridade, resultando em avaliações financeiras expressivas.

Moeda

No Brasil, as moedas são emitidas com valores monetários intrínsecos, determinados no momento de sua cunhagem. Por exemplo, as moedas de 5 centavos, assim como as de 25 e 50 centavos, possuem valor nominal uniforme em todo o território nacional, estabelecendo um padrão monetário.

No entanto, há casos em que determinadas moedas adquirem uma valorização considerável ao longo do tempo, muitas vezes devido a características especiais que possuem. Este fenômeno é exemplificado pela ascensão de três moedas de 10 centavos no mercado nacional, cujos valores ultrapassam os seiscentos reais.

-

Você já ouviu falar em numismática?

Recentemente, o campo da numismática tem testemunhado um crescente interesse por parte dos brasileiros. As moedas, eminentes por sua relevância histórica e cultural, despertam admiração, especialmente quando dotadas de características singulares que as tornam exemplares únicos.

-

Embora o achado de moedas na carteira ou no bolso do vestuário possa não suscitar grande entusiasmo, dada a sua baixa denominação, é importante notar que certos exemplares transcendem seu valor nominal. De fato, mesmo em um contexto onde esses artefatos não alcancem grande popularidade no Brasil, alguns deles podem surpreender em termos de avaliação financeira.

Em síntese, os numismatas estão dispostos a desembolsar quantias substanciais por peças específicas, desde que estas apresentem atributos distintivos. Por oportuno, cabe ressaltar que o termo “numismata” refere-se àqueles que se dedicam ao estudo e especialização em notas, moedas e medalhas sob uma perspectiva histórica, artística e econômica. Além disso, é comumente associado à prática de colecionar tais itens.

Conheça as três valiosas moedas de 10 centavos

-

Recentemente, três moedas de 10 centavos têm despertado considerável interesse entre os colecionadores. Fabricados há mais de duas décadas, nos anos de 1998, 1999 e 2000, esses modelos representam as primeiras incursões da segunda família do real.

A procura por essas peças é impulsionada pela sua escassez no mercado, resultante do longo período transcorrido desde sua fabricação. A título ilustrativo, apresenta-se a seguir a quantidade de moedas de 10 centavos produzidas pela Casa da Moeda entre 1998 e 2000:

  • 1998: 141,5 milhões;
  • 1999: 9,62 milhões;
  • 2000: 26,9 milhões.

Em resumo, os anos de 1999 e 2000 testemunharam as menores tiragens anuais desse modelo. Por contraste, os demais anos registraram quantidades que excederam a marca dos 100 milhões, similar ao volume de 1998. Esta disparidade evidencia a dificuldade em encontrar tais exemplares, decorrente tanto da escassez de produção quanto do decorrer do tempo desde sua fabricação, considerando que a Casa da Moeda emitiu bilhões de outras moedas de 10 centavos desde então.

-

Segundo o Catálogo Ilustrado Moedas com Erros, o valor de mercado de cada um desses modelos varia de acordo com sua tiragem, sendo que quanto mais escassos, maior o valor percebido, devido à sua relativa raridade. Ademais, o estado de preservação dos itens também desempenha um papel significativo na determinação de seu valor financeiro.

Veja os estados de conservação das moedas

As moedas são categorizadas com base em seu estado de conservação, apresentando diferentes classificações. A primeira delas é conhecida como “flor de cunho” (FC), referindo-se a exemplares que não entraram em circulação, ou seja, que não exibem quaisquer vestígios de desgaste ou manipulação. Em suma, tais moedas estão em estado imaculado, sem marcas ou imperfeições.

Por outro lado, o estado de “soberba” (SOB) é atribuído a moedas que conservam aproximadamente 90% dos detalhes da cunhagem original. Em essência, esta classificação engloba exemplares que foram pouco circulados.

Por sua vez, a categoria de “muito bem conservada” (MBC) caracteriza-se pela presença de sinais de manuseio e uso, exibindo cerca de 70% dos detalhes da cunhagem original. Além disso, o desgaste deve ser uniforme, sem evidenciar áreas mais desgastadas que outras.

Conforme recomendado por especialistas, é aconselhável armazenar as moedas em sacos plásticos ou filme de papel e evitar o manuseio direto com as mãos nuas. O uso de luvas é preferível para evitar o desgaste do material, já que moedas preservadas em sua condição original tendem a possuir um valor significativamente superior em relação às suas contrapartes desgastadas.

Veja como vender os itens

Os indivíduos interessados em comercializar suas peças têm à disposição diversas opções. Abaixo, destacam-se as principais maneiras de vender moedas raras a colecionadores:

  • Integrar grupos de colecionadores em redes sociais, como o Facebook;
  • Recorrer a estabelecimentos especializados na compra e venda de moedas raras, tanto físicos quanto online;
  • Participar de leilões, especialmente de itens de alto valor;
  • Utilizar plataformas online como Mercado Livre e Shopee, as quais contam com uma considerável base de usuários interessados em colecionar tais itens.

Por último, é recomendável que os indivíduos ampliem seu conhecimento sobre o assunto e adquiram experiência no mercado para garantir preços justos. Destaca-se que os leilões proporcionam um ambiente competitivo, aumentando as oportunidades de venda das moedas a preços mais vantajosos.