JULHO CHEGOU COM TUDO! Serasa faz ÚLTIMA CHAMADA para limpeza de CPFs sujos; confira comunicado

Lidar com dívidas é uma realidade frequente para muitos consumidores brasileiros, seja devido a parcelamentos não quitados, dificuldades com empréstimos ou encargos financeiros elevados. A inadimplência pode se acumular rapidamente, transformando-se em um problema difícil de resolver.

SERASA SOLTA COMUNICADO GERAL: Brasileiros com dívidas pendentes por mais de 5 anos receberam uma ótima notícias

Uma das questões principais nesse cenário é o destino de uma dívida após completar cinco anos de atraso. Ela simplesmente desaparece ou ainda pode ser cobrada? Vamos explorar as respostas a seguir.

O que é uma Dívida Caduca?

Uma dívida que caduca é aquela que excede o prazo de 5 anos sem ser quitada, o que implica que o consumidor não pode mais ser incluído nos cadastros de proteção ao crédito por essa dívida específica.

Essencialmente, a remoção desses registros libera o nome do devedor de restrições. No entanto, é crucial compreender que a dívida em si não desaparece apenas por ter “caducado”. Permanece como uma obrigação legal entre o credor e o consumidor, que não foi integralmente cumprida. Portanto, embora a negativação não seja mais possível, a cobrança informal da dívida ainda pode prosseguir.

O Conceito de Prescrição

-

O conceito de prescrição está intimamente ligado à caducidade e é essencial para compreender as consequências de uma dívida que excede 5 anos.

A prescrição é o prazo a partir do qual a dívida não pode mais ser judicialmente cobrada, embora ainda exista. Após esse período, o credor perde o direito de entrar com uma ação judicial para exigir o pagamento. No entanto, a cobrança informal pode continuar por meio de ligações, cartas e outras formas de comunicação.

É relevante observar que a prescrição é regida por diversas regras e exceções, dependendo do tipo de dívida e da legislação aplicável. Assim, é aconselhável buscar orientação de um especialista para uma análise detalhada de cada situação específica.

Dívidas com bancos e Cartões de Crédito

-

Apesar da caducidade, o histórico de inadimplência pode continuar registrado em outras bases de dados, como o Registrato do Banco Central e o Cadastro Positivo.

Mesmo sem estar negativado, isso pode dificultar a obtenção de novos empréstimos, financiamentos ou a solicitação de novos cartões de crédito junto às instituições financeiras.

Assim, é crucial que o consumidor busque quitar essas dívidas mesmo após o prazo de 5 anos, a fim de evitar complicações futuras em suas relações com o sistema bancário.

-

É possível protestar uma dívida com mais de 5 anos?

De acordo com a Lei de Protesto (Lei 9.492/97), não há um prazo específico para o protesto de um título, mesmo após a dívida ter atingido os 5 anos. No entanto, cabe ao credor avaliar os riscos envolvidos ao protestar uma dívida que já prescreveu. Apesar de ser possível realizar o protesto, sua anulação só será viável após o pagamento integral da dívida e a emissão de uma carta de anuência pelo credor.

É importante destacar que, mesmo com o protesto, a dívida não pode mais gerar uma nova negativação no nome do consumidor devido à caducidade. Contudo, a presença do protesto pode dificultar a obtenção de novos créditos e a realização de outras transações financeiras.

Estratégias para lidar com dívidas antigas

Diante desse contexto, muitos consumidores se questionam se é mais vantajoso aguardar a caducidade da dívida ou tomar medidas imediatas para resolvê-la. No entanto, a abordagem mais recomendável é agir proativamente o quanto antes.

Deixar a dívida se estender por 5 anos não é estratégico, pois continuará sujeita a cobranças informais, juros e multas, elevando consideravelmente o montante devido. Além disso, a inadimplência pode impactar negativamente a vida financeira do consumidor mesmo após o prazo de caducidade.

Uma alternativa eficaz é buscar a renegociação da dívida por meio de plataformas como o Serasa Limpa Nome. Nesse ambiente, é possível verificar o status da dívida, contatar o credor e estabelecer um acordo de pagamento em condições favoráveis, frequentemente com descontos substanciais.

Essa abordagem permite que o consumidor regularize sua situação financeira, evitando litígios judiciais e cobranças informais, ao mesmo tempo em que restaura sua capacidade de crédito. Em resumo, liquidar uma dívida antiga é sempre preferível a permitir que ela se acumule.

Vitória Tormen

Natural de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, sou uma profissional comprometida com o desenvolvimento de conteúdos e a criação de posts otimizados para o Google News e Discover. Possuo uma vasta experiência em SEO técnico e SEO de conteúdo, garantindo que o material… Mais »